Poema Mórbido


Em noite de céu negro
Eu vejo o vulto da fria morte
Por labirintos de medos
Rondando os caminhos à sorte.

A solidão vive seus limites
A alma se encontra sem norte
E o verso que nasce – morre!
Num corpo sem poema e porte.

Esse silêncio tão profundo
Desmancha-se numa luz forte.
O som da vida retoma o lúdico
E a alvorada leva a noite morte.

Daniel † Lord Velles
Orkut: http://www.orkut.com.br/Main#Profile?uid=16363519347174649973

Comentários

Postagens mais visitadas